Desde 1955
Associação Brasileira de Veleiros de Oceano
  • Memórias da Vela Oceânica

História

Associados e amantes da Vela de Oceano, bem vindos ao site da ABVO.

A Associação Brasileira de Veleiros de Oceano teve sua fundação oficial em 05 de Janeiro de 1955. Fundada basicamente pelo Iate Clube do Rio de JaneiroIate Clube de Santos, Federação Paulista de Vela e a então Federação Metropolitana Carioca de Vela (atual FEVERJ).

Veja aqui o Estatuto Antigo da ABVO.

Nascimento nos anos 50 e a Santos-Rio

A ABVO surgiu da necessidade de melhor organizar a Regata Santos-Rio, que teve seu início em 1951. Nesta edição, a Santos-Rio teve como Fita-Azul o veleiro “Vendaval” do ICRJ sob comando de Fernando Pimentel Duarte. No tempo corrigido, a vitória coube ao “Ondina” do comandante Joaquim Belém. Na edição de 1955 já organizada pela ABVO, a Santos-Rio foi vencida no tempo real e corrigido pelo “Mistral” do comandante Leon Joullié.

Santos Rio - Barcos de Madeira e Homens de Ferro

Desenvolvimento e Maturidade

Deste então, a ABVO virou a única entidade de promoção da Vela de Oceano no Brasil e reconhecida então pelo poderoso CND. Ajudou a construir e a consolidar a Confederação Brasileira de Vela e Motor. Promoveu e reconheceu diversas regatas regionais, nacionais e internacionais, muitas ainda atuantes no Brasil. Dentre elas, o Circuito-Rio; Circuito Oceânico de Santa Catarina; Circuito Salvador e tantas outras regatas e campeonatos. A ABVO passou a ser a gestora das regras de tempo corrigido (Handicap) no Brasil como representante da Offshore Racing Council – ORC com sede na Inglaterra.

Nos anos 70, adotou a Regra IOR e depois a IOR Mark III para os barcos de regata. Em 1980, reconheceu a regra RHC para barcos de cruzeiro. A RHC foi originária da regra RGS que passou a ter vida independente e não reconhecida pela ABVO por anos. No início dos anos 90, a regra IOR deu vez para  a moderna regra IMS que mais tarde seria reformada e denominada como regra ORC (reconhecida pela ISAF). Em 2012, a regra RGS passa a ser reconhecida como a regra oficial de veleiros monocascos de cruzeiro/regata no Brasil e a ABVO passou a adotar, na prática, também a regra internacional IRC criada na Europa e que passa a ter difusão internacional. Em 2014, realiza seu primeiro campeonato brasileiro reconhecido pela CBVela.

A Vela de Oceano de veleiros clássicos virou uma tendência internacional e, no Brasil, surgiu com o grupo denominado ABVClass. A ABVO reconheceu o movimento em 2012 e criou a classe de Veleiros Clássicos, hoje competindo sob a regra RGS. No Nordeste do Brasil, a prática de regatas com multicascos de oceano já era tradicional, no entanto, a ABVO reconheceu oficialmente a Vela de Oceano de Multicascos e com a promoção da flotilha filiada FREVO (Flotilha Recifense de Veleiros de Oceano), surgindo, no Brasil, a regra de rating MOCRA.

Atuação

Hoje a ABVO, possui mais de 100 veleiros associados, organiza uma Copa Brasil de Vela de Oceano que em 2013, teve a participação de 192 veleiros. Oferecemos serviços e apoio para eventos. Temos como clubes colaboradores, o Iate Clube do Rio de Janeiro; Yacht Club de Ilhabela; Iate Clube de Brasília; Ubatuba Iate Clube; Yacht Clube da Bahia. A entidade equilibrou suas contas e possui sua sede oficial na Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro – FEVERJ.

Circuito Rio 2012

Tivemos anos de dificuldades, mas com a ajuda de muitos que acreditaram no processo, conseguimos dinamizar e resgatar a credibilidade da ABVO. Isto só foi possível, porque toda uma ampla diretoria trabalhou com dedicação e por todos associados e clubes que acreditaram nesta construção.

Comodoros

Período Comodoro
1955 a 1956 Fernando José Pimentel Duarte
1977 a 1978 Mario Simões
1979 a 1981 José Roberto Braile
1982 a 1984 Marcelo Gifoni
1985 a 1986 Gildo Souza Ramos
1987 a 1988 Leopoldo Antunes Maciel
1989 a 1990 Eduardo Moran
2002 a 2011 Alcino Vasquez Moreira
2012 a 2015 Lars Grael
2016 a 2017 Paulo Guichard Freire

 

Contamos com seu apoio e adesão.

Paulo Freire

Comodoro da ABVO 2016/2017



Comments

comments


Comentários desativados em História

Voltar ao início